Gestão dos Indicadores em Saúde Corporativa: Principais Impactos

Grande parte das empresas, principalmente as de médio e de grande porte, há muito tempo habituou-se a adquirir produtos e serviços em benefício como planos de saúde, PBM (pharma benefit management), BI (business inteligence), programas de qualidade de vida, saúde mental, etc. Em saúde ocupacional, também não foi diferente, pois para o cumprimento de normas, as empresas buscaram serviços terceiros como clínicas do trabalho, outsourcing de recurso humano, softwares de medicina ocupacional, entre outros. Ou seja, fez grandes investimentos em saúde ocupacional e assistencial, e porque ainda traz grandes dificuldades no seu gerenciamento, principalmente para controle dos custos ?

Impactos

Grandes perdas ainda são observadas, seja na saúde dos próprios colaboradores, bem como nos incontroláveis custos que impacta nos resultados das empresas. Quando integramos perdas relacionadas a falta de gestão de cuidados, gerando descontrole em sinistralidade e  perdas pelos afastamentos, muito recurso que poderia ser direcionado a de fato gerenciar melhor o benefício e saúde do trabalhador, é desperdiçado.

Gestão de Indicadores

Os principais indicadores, referentes a saúde corporativa são:

    • Sinistralidade
    • Afastados
    • Absenteísmo
    • FAP (fator acidentário de prevenção)

Entendemos todos referem-se a saúde e segurança de um mesmo colaborador, e porque sempre foram tratados com um budget e em áreas distintas ? Provavelmente porque a separação benefício/saúde ocupacional tenham regulações diferentes, ou mesmo porque o dimensionamento e composição dos departamentos, principalmente em empresas de grande porte, tenham suas nuâncias. A grande perda, considerando este framework, seria justamente considerar que todos os indicadores acima citados, precisam simplesmente a adição de um termo: Gestão. Sim, é necessário a gestão da sinistralidade, a gestão dos afastados, a gestão do FAP, e assim por diante.

Tomada de decisão Data-Driven

Como podemos estuturar uma decisão estratégica, e todos os seus impactos referentes a esta, sem as informações suficientes para tal. Exemplo, um funcionário está afastado por uma doença ocupacional, e irá necessitar uma série de intervenções, consultas, exames e procedimentos, do plano de saúde oferecido pela empresa. Este afastamento impactou os 4 principais indicadores, que pouco provavelmente foram mensurados e coordenados, afim de promover o desfecho necessário para reintegração do colaborador.

Uma plataforma que integre todas as informações, seja da própria saúde do colaborador, dos seus sinistros, afastamentos, periódicos, etc, seria o ponto de partida para que uma empresa possa ter a estruturação do dado, bem como gerar dashboards analíticos para tomada de decisão.

Como iniciar a estruturar uma gestão baseada em dados ?

Muito importante que haja uma confluência de informações, estruturadas com um framework mínimo, onde a plataforma elencada, seja capaz de coletar ou inputar os dados.Clique aqui e saiba mais como elaborar este framework.

 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *